11
jan
10

Carlos Gradim do Plug Minas escreve sobre a visão social de Andrea Neves

Quando vejo alguém iniciar algo que parece impossível, o que me vem à cabeça é a imagem de Ulisses, o herói grego. Conta o mito que ele, antes de voltar para casa e perdido em uma ilha, pôs-se a arar as areias de uma praia deserta. Então, eu penso: Pra quê fazer isso? Por que tentar cultivar uma terra que todos acreditam que não pode dar frutos?

É aí que minha cabeça dá voltas e eu finalmente consigo perceber que há, nesse nosso mundo enorme e comprido, dois tipos de pessoas: as que não crêem e aquelas que acreditam sem limites. E acreditar, acreditar com força e com coragem, não é algo possível para qualquer um. Acreditar a ponto de tornar a areia da praia um terreno fértil e abençoado é coisa de que só os heróis são verdadeiramente capazes. Só um Ulisses, com seu sonho obstinado, é capaz de acreditar tão profundamente a ponto de fazer com que a areia se transforme em seara.

É por isso, por acreditar sem limites, que Ulisses não é como qualquer um. É por isso que ele é um herói, pois heróis são aqueles dão conta de suportar exemplarmente uma sorte incomum, arriscando a própria vida pelo dever.

Aqui, em Minas, temos visto alguns Ulisses. Gente que não para de arar.
Há mais ou menos cinco anos, eu conheci uma pessoa assim. Sem fazer muito barulho, ela pegava seus instrumentos e sulcava o chão. Notei que cada marca que fazia no solo era produzida com convicção profunda e com cuidado maior ainda.

A maioria olhava e achava que o que aquela mulher fazia (era uma mulher, essa pessoa!) era um pouco fora de propósito.

Mas existiam também aqueles que miravam tal mulher e não achavam que os sinais deixados pelo arado naquela areia toda eram um absurdo total.

Perguntei a um amigo e ele me revelou acreditar que o importante do trabalho daquela mulher era exatamente o fato das marcas não poderem ficar na areia. Meu amigo me explicou: “- O importante é o toque que isso que ela está fazendo, e que você mesmo está achando que parece inútil, o importante é o toque que esse trabalho está deixando agora mesmo na sua alma, dentro de você”.

Então, quase instantaneamente, eu entendi. Eu entendi tudo e fui também pegar meu arado.

Hoje, estou aqui. Cinco anos já se passaram, muito trabalho foi feito, muita areia foi arada, mas a seara, como aquela mulher me mostrou, ainda é pequena e precisa crescer mais e mais.

Hoje, o Valores de Minas é uma realidade boa e fecunda até para quem antes achava que aquele ofício na beira do mar era coisa sem sentido algum.

Os meninos estão aí, crescendo bons e fortes e inteiros. As artes desses jovens também seguem eternas, como as marcas que não podem ser apagadas das nossas almas.
E a mulher? Ah! A mulher!   A mulher também continua por aí.

Ela, como o seu arado.

Carlos Gradim,  gerente do Plug Minas


1 Response to “Carlos Gradim do Plug Minas escreve sobre a visão social de Andrea Neves”


  1. 1 Lucia Moreira Brusa
    12/01/2010 às 00:18

    Belíssimo texto.

    Mas quem conhece Andrea Neves sabe de seu entusiasmo, de seu afeto, realmente do brilho de seus olhos quando o assunto é a proteção às crianças e aos idosos carentes.
    Emociona a todos pela verdade de seus atos.

    Parabéns Grandim pelo belo texto.
    Parabens Andrea pela merecida e verdadeira homenagem.
    Parabéns Aécio pela irmã.


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


janeiro 2010
S T Q Q S S D
« dez   fev »
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

Mais Acessados

  • Nenhum

%d blogueiros gostam disto: