21
abr
10

Andrea e Aécio Neves participam da mostra Centenário Tancredo Neves, no Museu Histórico Nacional

Minas em São Paulo: Namoro olho no olho

Fonte: Hildegard de Angel – Jornal do Brasil

Kubitschek, Niemeyer, Maia, Aleixo, Gouthier, Chagas Freitas, as forças políticas e sociais, do Rio e de Minas, unidas em torno da memória de Tancredo Neves

Mineiro é conciliador, mineiro é multiplicador, mineiro respeita o adversário,  prestigia as diferenças e tem uma capacidade plural de harmonizar. Foi o que se viu na abertura da mostra Centenário Tancredo Neves, no Museu Histórico Nacional, cuja frequência passeava do Chaguismo ao Juscelinismo, dos recentes Maia aos antigos Aleixo ao novíssimo Anastasia, atual governador das Gerais e candidato a próximo. Do jornalismo político, de Villas-Bôas Corrêa a Roberto D’Ávila, passando por Cícero Sandroni.

A exposição faz uma síntese do essencial na História percorrida pelo estadista, reproduzindo fielmente o conteúdo do Memorial Tancredo Neves, de São João Del Rei. E a gente percebe que Minas, mesmo quando adormecida em termos nacionais, como agora, permanece desperta em sua essência, e que seu poder independe de retratos em paredes de repartições  públicas. Vai muito além. Minas é memória. Minas guarda valores. “Essa gente das Minas Gerais não se submete nunca” – a frase, tomei emprestada do português conde de Assumar, quando mandou matar o insurgente mineiro Filipe dos Santos.

O conde também disse “mineiro tem por brio fazer revolução”. Mas este não é o perfil dos mineiros Neves, antes de tudo gente de boa conversa e paz. E lá vem Aécio Neves, subindo a escada rolante do museu, seguido de José Serra, e emprestando ao paulista um tantão de seu carisma. Colado em Aécio, até mesmo o fechadão Serra consegue angariar simpatias, despertar sorrisos, pois, convenhamos, esta eleição pra presidente está mais para “o pleito da antipatia”, conforme manchete muito bem sacada da revista mineira Viver Brasil.

Também fazia parte do evento no MHN, o lançamento, por Mauro Santayana, dos livros A política como razão: as idéias e o tempo de Tancredo Neves e Tancredo, o verbo republicano, com uma seleção dos mais importantes discursos do estadista. O jornalista começou a autografar às seis e meia da tarde e ficou lá, de caneta em punho, até 10 e meia. Tudo pilotado pela eficiência de Andréa Neves, que, com essa exposição, brinda o Rio e o Brasil com uma certa sensação de nostalgia, do ‘poderia ter sido’, um gostinho daquilo que, com Aécio, um dia poderá ser. Eu disse com Aécio…

Link: http://jb.ideavalley.com.br/flip/


0 Responses to “Andrea e Aécio Neves participam da mostra Centenário Tancredo Neves, no Museu Histórico Nacional”



  1. Deixe um comentário

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


abril 2010
S T Q Q S S D
« mar   maio »
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930  

Mais Acessados

  • Nenhum

%d blogueiros gostam disto: