Posts Tagged ‘política

04
jul
11

Andrea Neves em artigo presta a última homenagem a Itamar Franco

Itamar

FonteArtigo Andrea Neves da Cunha* – Estado de Minas

O tempo abraçou e levou Itamar da mesma forma que já levou outros grandes brasileiros. Mas, como eles, de alguma forma, Itamar permanecerá conosco

OPINIÃO
O tempo é hóspede compulsório na vida de cada um de nós.

Se apresenta dócil no primeiro encontro e se porta como convidado discreto nos primeiros aniversários de nossos filhos.

Aos poucos, vai perdendo a cerimônia, invade espelhos e planta cansaço e saudade no quintal.

Às vezes finge desaparecer apenas para nos assustar ao surgir, de repente, na nova voz de um filho, no primeiro namorado de uma filha.

Ele também faz mágica: leva embora nossos pais e amigos e nos transforma, subitamente, em sobreviventes.

Tempo.

O tempo abraçou e levou Itamar da mesma forma que já levou outros grandes brasileiros. Mas, como eles, de alguma forma, Itamar permanecerá conosco.

Alguns o reencontrarão nos livros de história. Outros, nas próprias memórias.

Mas cada um de nós poderá se reencontrar cotidianamente com Itamar no amor por Minas e no respeito pela política. Na impaciência com o ambiente menor da atividade pública onde florescem a ausência de escrúpulos e a mesquinharia pessoal.

Isso porque Itamar foi um apaixonado por Minas e pela política. Não fazia concessões. Não media palavras. Em diversos momentos foi incompreendido. Quanto mais o tempo passava, mais intolerante ficava com aqueles que usam o espaço da representação pública mais para se vingar de adversários do que para trabalhar pelo bem comum. Não se incomodava de ser polêmico: tinha um trabalho maior a fazer. Ele fez parte de uma geração para a qual imagem pública era consequência e não produto a ser construído.

Lembro-me das nossas conversas e das suas ternas manifestações de afeto. Das campanhas eleitorais me vêm à memória a alegria quase infantil, a indignação juvenil, a disposição infindável, mesmo quando o corpo, cansado, pedia repouso. Durante agendas exaustivas, enquanto nós nos preocupávamos com ele, era conosco que ele se preocupava.

Drummond dizia que carregava seus mortos do lado esquerdo e que, por isso, andava meio de banda.

Imersa em memória, sei que, a partir de hoje, caminharei com nova saudade ao meu lado.

Em 1976, em homenagem ao presidente Juscelino que acabara de falecer, meu avô, o então deputado Tancredo Neves, fez um discurso no Congresso Nacional que se tornou conhecida peça de oratória. Ele iniciava assim suas palavras:

“No elogio fúnebre de De Gaulle, no seu inimitável Quando os carvalhos se abatem, o talento literário de Malraux nos narra cena simples e comovente que presenciou, quando, em Colombey-les-Deux-Églises, era dado à sepultura o corpo do grande herói francês. Uma fila de fuzileiros navais, eretos e firmes, apresentava armas ao cortejo que desfilava, contendo uma multidão que atrás de si se apinhava. Eis que do meio dela se destacava uma mulher do povo, uma pobre camponesa de xale preto, humilde e triste, que, dirigindo-se a um daqueles militares, com voz altiva e enérgica, reclamou: ‘por que não me deixam passar? A ordem é para todos’, foi a resposta ríspida e seca. Malraux, que assistia ao diálogo, pousou a sua mão no ombro do marinheiro e ponderou: ‘Deixe-a passar. O general ficaria satisfeito. Ela fala como a França.’ Fazendo meia-volta, sem pronunciar uma palavra, sem mexer um só músculo, ainda apresentando armas e abrindo um claro, por ele penetra, coxeando, aquela francesa obscura e anônima. Nesse episódio, Malraux sentiu e viu, através de estranho e misterioso simbolismo, um apresentar de armas à França eterna, miserável e fiel.”

Lembrei-me desse trecho quando escolhia as palavras para manifestar a minha imensa tristeza pela morte de Itamar. Apoio-me nelas para fazer uma analogia afetiva e respeitosa.
Nesta segunda-feira, quando, em silêncio, recebermos o corpo do ex-presidente, vou me lembrar que sua voz altiva nasceu sempre do seu coração e da sua consciência. Que ele sempre caminhou de cabeça erguida. E que, por isso, ele sempre falou e caminhou como Minas.

Obrigada, presidente!

*Andrea Neves da Cunha – Jornalista e presidente do Serviço Voluntário de Assistência Social (Servas)   

07
jun
10

Andrea Neves lidera ações de transformação social em Minas Gerais, ex-presidente do Servas faz balanço dos últimos 7 anos

Parcerias que rendem frutos

Programas sociais mudaram realidade de pessoas carentes em todo Estado

Fonte: Renata Nunnes – O Tempo

Balanço: Após sete anos à frente do Servas, Andrea Neves diz que trabalho conjunto resultou no sucesso das ações

O tom de voz determinado da mulher conhecida como grande articuladora, de repente, fica carregado de emoção. Ela para, respira e, tomada de satisfação, começa a fazer um balanço dos últimos sete anos.

Foram tempos dedicados à frente de projetos desenvolvidos pelo Serviço Voluntário de Assistência Social (Servas), que mudaram, para melhor, a vida de pessoas de todas as idades.

Para a ex-presidente do Servas, Andrea Neves, a construção de programas sociais requer persistência. “Nenhum governo, por mais correto e bem intencionado que seja tem condição de enfrentar sozinho a questão social na gravidade com que ela existe no nosso país. Isso não tem relação apenas com recursos ou vontade política. Quando somos capazes de estabelecer parcerias, conseguimos fazer com que iniciativas andem mais rápido e cheguem mais longe”, diz Andrea, que durante o governo do irmão, Aécio Neves, dirigiu a entidade.

Parcerias firmadas com empresas, entidades de classe, ONGs e cidadãos comuns garantiram que os programas do Servas fossem respeitados e até copiados no Brasil e no exterior. Digna Idade, Brinquedoteca, Valores de Minas, Vita Vida e Vozes do Morro são alguns dos projetos que saíram do papel para transformar a realidade de idosos, crianças, jovens, pacientes de hospitais e moradores de vilas e aglomerados. Eles ganharam humanização, resgataram valores e a autoestima. Alguns dos beneficiados se encontraram com o lúdico por meio da leitura. Outros conheceram a arte, a música e sua própria cultura. Sem contar os que se libertaram da fome em ação contra o desperdício.

Andrea Neves não esteve sozinha nas conquistas. Tinha a companhia de profissionais que, segundo ela, fizeram do trabalho a própria vida. “Muitas vezes, não basta ter uma boa ideia se você não tem pessoas comprometidas. Se não for assim, nenhuma questão sai do papel”, afirma. Para Andrea, o esforço da equipe do Servas somado ao dos parceiros explica o fato de o Servas ter conseguido implantar projetos que têm feito diferença na vida das pessoas.

O serviço também atuou em fortes campanhas de mobilização social, como o “Volta”, que convocava a população na busca de pessoas desaparecidas. E quem não se lembra do filme da campanha contra a exploração sexual de crianças em que uma menina pedia “socorro” por meio de uma canção?

Outra grande mobilização ocorreu em torno dos cuidados com os idosos e teve a participação do cantor Zezé di Camargo. Uma moda de viola dizia que um pai cuida de dez filhos, mas dez filhos não cuidam de um pai. “É tão verdadeiro esse sentimento de que alguma coisa está acontecendo em nossa sociedade. Estão se esfacelando laços, que deveriam ser de permanente afeto. A questão do idoso é dolorosa. Eles não podem ser excluídos da sociedade”, disse Andrea Neves.

 

Qual a avaliação que a senhora faz do trabalho realizado no Servas? Foi um trabalho construído aos pouquinhos e que hoje nos enche de surpresa em perceber que conseguimos abraçar, em tão pouco tempo, tantas pessoas. O Servas, hoje, tem programas muito diferenciados. Eles nos permitem estar em todas as regiões do Estado. Construir programas sociais requer muita persistência. Não trabalhamos com estatísticas, ajudamos pessoas de verdade.

A senhora acredita que os programas desenvolvidos e reestruturados durante sua gestão vão ser mantidos ao longo de outros governos? Me preocupa muito essa questão de um governo que começa e resolve anular tudo que foi feito antes. Acho uma covardia com a sociedade brasileira. Tenho um profundo respeito pelas ações desenvolvidas por entidades sociais de Minas. Portanto, fechamos muitas parcerias. Somamos esforços e o resultado cria condições para que os projetos existam além de qualquer gestão política. Só as parcerias garantem as condições de continuidade dos programas.

Foram muitas as ações desenvolvidas pela equipe do Servas. Há algum dos programas que tenha tocado a senhora de maneira especial? O Digna Idade. Ele é voltado para idosos que vivem em instituições de longa permanência, os antigos asilos. Muitos deles têm seus vínculos familiares esgotados, vivem sozinhos.

Como nasceu o Digna Idade? Ele nasceu de uma parceria com o Ministério Público Estadual. Em 2003, o órgão tinha um diagnóstico muito duro sobre a realidade de grande parte das entidades do tipo que existem em Minas Gerais. Com isso, priorizamos o tema.

Como o programa atua? Ele atua em três frentes diferenciadas: capacita a gestão da entidade, capacita os cuidadores de idosos e possibilita a reforma e a aquisição de equipamentos necessários para cada instituição. O Digna Idade também se soma à campanha de mobilização social.

De fato, o Servas priorizou campanhas de mobilização social como a dos desaparecidos e a da violência doméstica. Como a senhora avalia essas ações? Foram campanhas fortes ao longo dos últimos anos. Todas criadas com o objetivo de sensibilizar as pessoas sobre questões presentes na vida de cada um de nós. Tivemos, obviamente, resultados concretos. No caso da atenção aos idosos, por exemplo, houve um aumento no número de denúncias de violência.

Qual das ações alcançou mais retorno? A dos idosos. Essa campanha alcançou retorno inclusive no exterior. O comercial foi traduzido para outras línguas. Recebemos comunicados da Itália e dos Estados Unidos. Ocorreram correntes na internet divulgando a campanha e isso foi muito gratificante.

E o programa Vozes do Morro? Ele também foi bastante divulgado e revelou grandes talentos. À primeira vista, ele tem uma função de revelar talentos na área musical de pessoas que moram em vilas, favelas e aglomerados. Mas, na verdade, tem um sentido muito maior, porque trata de reforçar a identidade e criar valores nessas comunidades. Claro que você tem um resultado individual dos artistas. Mas o que é mais precioso para a gente no projeto é como a sociedade passa a se organizar em torno da criatividade e da solidariedade.

Outro projeto bastante reconhecido é o Vita Vida. A ideia pode ser multiplicada em todo o país? Estamos comemorando em 2010, com muito orgulho, a primeira parceria com a Pastoral da Criança e ela envolve o repasse da tecnologia do Vita Vida. Ao longo do último ano, a pastoral experimentou o uso do alimento desidratado nas crianças atendidas pela entidade. O resultado é extraordinário.

Quantas refeições já foram distribuídas por meio do Vita Vida? Foram 12 milhões. Um grande exemplo do combate às duas piores chagas da sociedade: o desperdício e a fome. As fábricas recebem excedentes de alimentos de produtores rurais e de comerciantes da Ceasa. Frutas e legumes que não servem para ser vendidos, mas estão em perfeitas condições de consumo.

O que o trabalho no Servas significou para a senhora? Eu também me transformei muito. Às vezes, a gente começa a trabalhar motivada para tentar colaborar com a transformação da vida dos outros e não percebe o quanto esse trabalho também nos transforma ao longo do processo. Essa foi uma experiência definitiva na minha vida.

A senhora descarta qualquer possibilidade de, no futuro, candidatar-se às eleições? As hipóteses estiveram descartadas no passado e todas estão descartadas no futuro. Faço política como instrumento para colaborar com a sociedade, para ajudar a transformá-la. Tem pessoas que optam por disputar um mandato eletivo, outras não.

Quais são os planos da senhora para o futuro? A partir de julho, estarei ao lado de Aécio Neves e Antonio Anastasia dando a minha contribuição na campanha eleitoral. Depois, vamos esperar chegar mais perto para enxergar melhor. (RN)




agosto 2017
S T Q Q S S D
« jan    
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  

Mais Acessados

  • Nenhum

%d blogueiros gostam disto: